Super mulher em ação!

Escrito por em 30 de novembro de 2017

“Não é fácil criar um filho sozinha, estou tentando de tudo para me reerguer, me refazer. Tenho que trabalhar, sustentar a casa, cuidar das tarefas diárias… fazendo o melhor que eu posso. Ufa!”

Conhece este discurso? Ele é legítimo, porém a criança não vai conseguir alcançar este discurso da forma como a mãe gostaria. A super mulher entra em ação por uma questão de sobrevivência. E ela pode descobrir forças que estavam dentro de si, sem mesmo entender e validar. É uma oportunidade de perceber seu limite e sua força, mas há um risco grande dessa  mulher querer provar a todo custo que dá conta sozinha e que precisa a todo momento ser validada em sua escolha e na pessoa que ela é.

Isso gera um estresse na relação dela com as pessoas e, principalmente com o seu filho. A parte mais vulnerável dessa história. O estresse vai fazer com que a mulher fique sempre em estado de alerta para conseguir assumir vários papéis e corresponder às expectativas alheias. O efeito disso a longo prazo é insatisfação, irritação, ganho ou perda de peso, queda de cabelo e fugas diversas. E o ciclo pode não ter fim, se a mulher não parar para se rever, entender o emocional que está por trás de toda luta.

Memórias inconscientes podem vir à tona sem a mulher perceber e isso pode minar suas relações e a sua própria força. Então, super mulheres, vamos entrar em ação com consciência. Isso já será uma boa saída para enxergar a raiz de suas dores emocionais. Não é o papel de super mulher que a fará feliz, mas a sensação de assumir com amor esse desafio tão grande. Você pode mostrar para a criança que precisa da ajuda dela nessa jornada, mas não responsabilizá-la por isso. E apenas você e a criança são os agentes principais e condutores dessa jornada, portanto apenas vocês precisam validar essa jornada. E validar no sentido de estar feliz nela, apenas. Não cabe a mais ninguém validar.


Tagged as , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,



Comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios estão marcados *



Continue lendo

Post anterior

A tal pressa


Thumbnail


Cart

View cart